NITRATO X CONTAMINAÇÃO:

UM CRITÉRIO DE SELEÇÃO DE ÁGUAS MINERAIS DE BOA QUALIDADE

Fonte: www.brasilescola.com


Lembra que a água mineral de cada fonte tem composição química própria?


Uma dessas substâncias é o nitrato, e pela diferença entre as fontes em umas há mais e em outras menos.


 O nitrato é encontrado na natureza, sendo a forma mais oxidada do nitrogênio, ocorrendo nos estágios finais da decomposição biológica e é facilmente transportado através do solo pela água. O nitrato não tem cor, odor nem sabor. Ele é encontrado nas águas superficiais e em menor quantidade nas águas minerais que não sofrem influência da atividade humana.  

Conheça nossas águas, selecionadas por sua pureza, propriedades e confiabilidade das fontes.

Mas qual a importância do nitrato?

Primeiramente, por que ele não é benéfico. O nitrato reduz a capacidade de o sangue transportar oxigênio, podendo ser letal para bebês de até seis meses de idade (Síndrome do bebê azul). Há alguns estudos em cobaias que indicam que em alta concentração ele pode causar doenças graves como o câncer. Outros riscos à saúde podem ser a disfunção da tireoide, defeitos de nascimento e abortos.

Notas: 

  • o nitrato não é removido por filtros, incluindo filtros de adsorção de carbono;
  • os processos com capacidade demonstrada para a redução do nível de nitrato na água para níveis de 10mg/l ou menos são a troca iônica, eletro diálise e osmose reversa;
  • não ferva a água em uma tentativa de remover os nitratos. A água fervida não elimina o nitrato, podendo aumentar sua concentração (a água evapora e ele não) ou ainda aumentar a concentração de nitritos, que são mais nocivos;
  • a água não é única fonte de nitrato. Veja a seção de Dicas de saúde.

Os linfomas (não-Hodgkin) são neoplasias (tumores) malignas que se originam nos linfonodos (gânglios), muito importantes no combate às infecções. Segundo o INCA - Instituto Nacional de Câncer, o número de casos praticamente duplicou nos últimos 25 anos, particularmente entre pessoas acima de 60 anos, por razões ainda não esclarecidas

“A contaminação da água por nitrato, substância encontrada em fertilizantes, é um exemplo de exposição que parece aumentar os riscos para doença.”

Nota: entenda também a situação das águas superficiais.

Para melhor entendimento de por que avaliar a concentração de nitrato e o cloreto nas águas minerais, um dos critérios de seleção das marcas que optamos por comercializar, apresentamos alguns aspectos da publicação Reflexões sobre a classificação e as características Químicas da água mineral envasada do Brasil  (baixe o arquivo PDF e veja em especial o item 4.2) de Reginaldo Bertolo (professor doutor do Instituto de Geociências da Universidade de São Paulo e vice-diretor do CEPAS - Centro de Pesquisas de Águas Subterrâneas - USP, atua nas linhas de pesquisa de geoquímica de águas subterrâneas, poluição de aquíferos e gestão de qualidade de águas subterrâneas).

Nessa publicação, é apresentada uma visão além da legislação, propondo que sejam consideradas águas minerais naturais somente aquelas potáveis, puras e comprovadamente livres de qualquer sinal de influência da atividade humana na sua composição química.

A concentração de nitrato é pequena em águas não impactadas pela atividade humana, e a sua alteração nos aquíferos pode ser originada pela infiltração de esgoto, e pela utilização de fertilizantes orgânicos e inorgânicos.

O limite de nitrato estabelecido na legislação brasileira para a água potável é de 50mg/l. Já nos Estados Unidos esse mesmo limite é de 10 mg/l.

Porém, alguns estudos indicam que em águas sem interferência da atividade humana os valores são menores (sem poder precisar um limite universal para esse propósito), por exemplo: 

  • em águas superficiais (rios) em florestas dos Estados Unidos...  9 mg/l
  • Aquífero Adamantina (Urânia – SP) ... 3 mg/l, sendo que valores entre 1 e 3 mg/l poderiam ainda significar impacto de origem antrópica, mediante confirmação através de um estudo de uso do solo na área de contribuição dos poços.

Nessa publicação o autor relata que observou “existir situações em que o cloreto e o nitrato apresentam concentrações elevadas, o que indica a ocorrência de contaminação originada por infiltração de esgotos. Exemplos dessa situação são águas que se situam em contexto fortemente urbanizado, como no município de São Paulo. A concentração de fundo de cloreto na água subterrânea da Bacia de São Paulo não é maior que 1,0 mg/l”, ou seja, águas minerais de fontes situadas no município de São Paulo que apresentam teor de nitrato maior que 3mg/l e de cloreto maior que 1 mg/l devem estar sofrendo impacto da infiltração de esgoto.

Como exemplo, apresentamos os dados da composição química indicados nos rótulos de uma água mineral com fonte no município de São Paulo, referentes a duas análises periódicas do LAMIN (Laboratório de Análises Minerais, responsável por realizar os estudos “in loco” nas fontes hidrominerais).

DESTACAMOS QUE ESSA MARCA ATENDE AOS REQUISITOS DA LEGISLAÇÃO APLICÁVEL, PORÉM SEGUNDO A PERSPECTIVA APRESENTADA ACIMA HÁ INDÍCIO da degradação da pureza dessa água entre as análises de 18/08/2008 e 19/09/2011.

Nitrato (mg/L) de 2,8 para 13,53

Cloreto (mg/L) de 1,4 para 4,63

 Já neste próximo exemplo apresentamos os dados da água de uma de uma fonte localizada entre o rio Pinheiros e o Aeroporto de Congonhas. Destacamos que nos Estados Unidos o limite máximo de nitrato na água potável é 10 mg/L.


VERIFIQUE OS DADOS DO RÓTULO DA ÁGUA QUE VOCÊ CONSOME!

 Além disso, um alto teor de nitrato pode ser um indicativo do risco potencial da presença de outras substâncias indesejáveis, como moléculas de herbicidas e praguicidas agrícolas, rejeitos industriais etc., pois as atividades desempenhadas na área de “abastecimento/recarga” da jazida de água mineral geram contaminações que o percurso que a água faz no solo não é capaz de purificá-la adequadamente.


Lembre que a portaria sobre a potabilidade da água não aborda todos os químicos tóxicos, assim eles não são necessariamente avaliados e podem estar presentes inclusive em águas minerais contaminadas. Se o percurso da água no solo não tem capacidade de eliminar o nitrato, também há a possibilidade de não eliminar outras substâncias tóxicas.


 Sugerimos a leitura atenta do trabalho mencionado, especialmente os itens relacionados à avaliação do autor sobre:

  • 5.1 – O que não é Água Mineral
  • 5.2 – O que é Água Mineral Natural
  • 5.3 – O que é Água Mineral de Classe Especial

O site americano Fine Waters estabeleceu uma escala de "virginality" para as águas minerais, indicando o grau de proteção que a água de uma fonte possui em relação às atividades existentes em seu entorno. Esta escala é compatível com a avaliação feita por Reginaldo Berto (apresentada acima).

"Virginality"           Faixa de teor de nitrato (mg/L)

     Superior                                0 - 1

    Muito Boa                              1 - 4

         Boa                                    4 - 7

     Aceitável                              7 - 10

       Potável                             10 - 50